Bom Retiro em três capítulos

3 de May de 2007 09:11 comentários35
Anúncios

No site Moda Para Ler, que eu adoro, pois suas matérias são sempre aprofundadas e interessantes, encontrei essa matéria completíssima sobre o Bom Retiro:

Bom Retiro em três capítulos

1. Bom Retiro Fashion Business
2. Guia de lojas
3. História do Bairro

***
2º BOM RETIRO FASHION BUSINESS
Evento apresenta a moda produzida no bairro

Entre os dias 13 e 16 de março acontecerá o 2º Bom Retiro Fashion Business. O evento organizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas do Bom Retiro pretende ajudar a consolidar o bairro como grande núcleo de moda. Serão 30 desfiles divididos em quatro horários: 10, 12, 14 e 16 horas. São esperadas 80 mil pessoas de todo o Brasil e de países da América do Sul. O evento é aberto, mas imprensa, compradores e convidados contam com uma sala VIP. Compradores do Brasil todo podem conseguir o convite por meio do cadastro no site oficial da Câmara de Dirigentes Lojistas do Bom Retiro- http://www.cdlbomretiro.org.br/. O cadastro reserva outros benefícios como um guia de lojas da região.

Serviço:
2º Bom Retiro Fashion Business
De 13 a 16/03. Das 10 às 17 horas.
Desfiles: 10, 12, 14 e 16 horas.
Rua Carmo Cintra
Grifes Participantes: 101%, Aramodu, Atrevida, Birô, Burda, Cia das Calcinhas, Disparate, Gazzy, Gup´s Jeans, Harpoon, Idio´s, Mad Soul, Malagueta, Marcconello, Maurício, Milvest, Modelan, Officio, Pitanga, Rommanel, Seiki, Smack, Spot Shoes, Vitral, Week, Universo das Calcinhas.

***
SE ORIENTE NO BOM RETIRO
Dicas para aproveitar melhor sua visita

Endereço tradicional de confecções, o Bom Retiro atrai 70 mil pessoas por dia. Gente do país inteiro atrás de roupas para revender ou para uso pessoal a preços 40% mais baratos que nos shoppings. Diferença que aumenta em época de liquidação em que vestidos e blusas podem ser comprados a 10 reais.

O mini-guia a baixo é para os marinheiros de primeira viagem. Escolhi lojas que sempre têm boas opções. Aí não estão inclusos endereços na rua dos Italianos e Aimorés.

Rua da Graça
O foco é malharia. A maioria das lojas dessa rua vendem artigos de tricô e crochê, mas, além disso, também tem saias, blusas e calças. Os estabelecimentos são mais ajeitadinhos e bem menos movimentados que a José Paulino, talvez por isso um pouco mais caras. Endereços:
Naturalitá Malhas – Rua da Graça,98 Tel. 11 3333.3899 – malhas transpassadas lindas
Nathalis –Malharia e Confecções – Rua da Graça, 1500 Tel. 3361.9646 – Vestidos, batas e tricôs românticos.

Rua Silva Pinto
Nessa transversal da José Paulino ficam as lojas que vendem roupas para senhoras e para quem usa número maior que 46. As butiques têm vestimentas também para quem busca uma roupa mais social. Endereços:
Z & G – Rua Silva Pinto, 302 Tel. 11 3221.4086 – roupas de shantung, vestido com o corte reto
Direção Modas – Rua Silva Pinto, 262 tel. 3361.2203 – blusas para gordinhas com formatos diferenciados, sexy, foge do padrão túnica.

Rua Ribeiro de Lima
Esse logradouro guarda uma loja escodidinha que tem bolsas incríveis. Para chegar é preciso subir uma escadona. Vale a pena. Tem bolsas lindas e baratas.
Euro Couros – Rua Ribeiro de Lima, 606 1º andar. Tel. 3337.3441

Rua José Paulino

Nessa rua tem de tudo. É muito importante ter paciência e se aventurar dentro das galerias e lojas que sempre tem coisas interessantes.
Há também muitas opções de moda festa. A maior parte vai naquela linha formatura: vestido de tafetá furta-cor de alcinhas com apliques de canutilhos. Porém nessa última andada notei que há boas novidades como vestidos envelopes de seda, vestidos com decote nas costas. Interessante, se alguém precisar ir numa formatura pode já é possível sair do trivial sem mudar de endereço.

- Ângela Modas – Rua José Paulino, 189 Tel. 3224.9061 http://www.angelamodas.com.br/
A marca registrada dessa loja são os casacos para o inverno. Lindo e quentinhos custam na faixa de R$300,00. Caros, porém duráveis. Um bom casaco de frio é um ótimo investimento.
- Art em pé – R. José Paulino, 216 Tel. 11 3337.1387 – Loja de sapatos incrível. Os preço não são tão baixos, mas os sapatos são lindos e de qualidade.
- Best Dress – Rua José Paulino, 372/ 11 3221.4206
- Nextore – Rua José Paulino, 459 Tel. 11 3333.7085
- Malagueta – Rua José Paulino, 541 Tel. 11 3331.6650
- UZU Fashion – Rua José Paulino, 551 Tel. 3338.1436
- Limelight Jeans – Rua José Paulino, 570/ 572 ou 260 Tel. 11 3331.0199
- Oxo Paxo – R: José Paulino, 450- tel: 3331-4855
- Galeria Bom Retiro – Rua. José Paulino, 257.
Esse conjunto de lojas oferece opções ótimas. O forte são as lojas de bijuterias e traquitandas. Repleta daqueles objetos inúteis com personagens famosos, como Hello Kitty. Ideal para que quem adora uma besteirinha. Comprei um espelhinho da Betty Boop por R$ 2,99. Faz vista na hora do batom em público. Um luxo só.

Se quiser saber o endereço de todas as lojas os dois site a baixo são boas referências:

http://www.omelhordobomretiro.com.br/

http://www.guiabomretiro.com.br/

Para comprar por atacado vá em dia de semana. O mínimo é 12 peças. Se for comprar por varejo vá aos sábados porque é o dia que todos os comerciantes praticam esse tipo de venda. Escolha uma roupa confortável para andar bastante. Legging ou saia facilita porque quase nenhuma loja tem provador e com essas peças fica mais fácil experimentar. Algumas lojas não deixam as clientes provar. Em algumas as vendedoras fazem vista grossa e acabam permitindo, em outras elas são mais incisivas com a proibição. Para quem usa para trabalhar ou gosta de roupa social o bairro oferece preços compensadores. Leve uma calça de alfaiataria na bolsa para colocar em cima da que você for comprar.

Carregue uma bolsa transpassada e mochila. Aos sábados há uma multidão que circula por lá e por isso é comum todo mundo se esbarre. A maioria dos comerciantes aceita cartão de crédito e débito. Cheque como em todo lugar não é tão bem aceito. É legal levar dinheiro trocado porque os camelôs oferecem produtos interessantes e mesmo nas lojas é possível encontrar coisas baratinhas.

O segredo para comprar bem por lá é ter paciência. Entrar de loja em loja e olhar todas as araras. Aos sábados algumas lojas ficam abarrotadas e o atendimento de uma vendedora é artigo de luxo. Para quem quer algo com um super design não inclua esse passeio na lista. Os comerciantes de lá investem no que alguns chamam de “modinha”, ou seja, o como diria sua avó no que “tá usando”. Esse verão o vestido tomara-que-caia longo com lastex é onipresente, assim como batas e bolerinhos. Contudo, os comerciantes trabalham muito com o básico e por isso há sempre opções atrativas para os que não se aventuram em combinações ousadas, ou para aqueles que querem peças bonitas e baratas. Embora algumas lojas não sejam tão baratas, o preço é muito menor do no shopping. Vi por exemplo vestido de malha de algodão por 80 reais, com mais uma boa andada você encontra vestidos similares por muito menos.

Para chegar lá evite o carro na Rua José Paulino. Nas ruas adjacentes há vários estacionamentos. Se não for comprar horrores, o metrô Luz e os ônibus que levam até lá são as melhores opções.

Pit Stop obrigatório
Entre uma compra e outra dê uma paradinha no Fashion Café na Rua da Graça,188. Lá além do cafezinho e do pão de queijo estão disponíveis para venda revistas de moda, bureau de estilo, caderno de tendências do mundo todo. A variedade é enorme. É um grande ponto de informação para os lojistas do Brasil todo que passam por lá. O estabelecimento é de propriedade Eduardo e Ivone Moura que há 35 atendem o mercado têxtil disponibilizando publicações de moda do mundo todo através. Saiba mais em http://www.revistasmoura.com.br/

***
UM POUCO DE HISTÓRIA
O Bom Retiro além de boas lojas tem uma trajetória interessante que retrata a pluralidade de São Paulo.

Das 1500 lojas de roupa do bairro, 80% pertence aos coreanos. Esse dado de 2001 é da Câmara de Diretores Lojistas que representa os comerciantes do Bom Retiro. O povo da Coréia começou a chegar no Brasil, e no Bom Retiro, nos anos 70. Nessa época os judeus eram a maioria no bairro. Eles, por sua vez, se estabeleceram nos anos 20. Antes dos judeus os italianos habitavam o espaço. A constante presença de estrangeiros no Bom Retiro aconteceu porque no final do século XIX lá havia a Hospedaria dos Imigrantes. Mesmo com a instalação da outra hospedaria no Brás (onde hoje funciona o Memorial do Imigrante) o Bom Retiro continuou atraindo estrangeiros em função da proximidade com a linha do trem. Os judeus que se estabeleceram no bom retiro vinham da Europa central e oriental e carregavam a experiência com o comércio. Assim, começaram a trabalhar vendendo tecidos de porta em porta e depois se estabilizaram com lojas de tecidos. Nos anos 50 ivestiram em lojas de roupas prontas, reflexo das necessidades de praticidade criadas pela escassez da guerra. Hoje, apesar da presença maciça dos coreanos, algumas confecções (como a Rosa Chá), as sinagogas e os ótimos restaurantes de comida típica registram a importância do povo judeu no bairro. Os gregos também habitam por lá. A especialidade desse povo são as camisas que até hoje marcam presença em lojas tradicionais na Rua dos Italianos.

Os primeiros imigrantes que se estabeleceram no Bom Retiro queriam que seus filhos se tornassem doutores. Sonho realizado e poucos jovens se interessavam em continuar com as atividades dos pais. O resultado foi uma substituição de imigrantes no comércio local. Os coreanos, habilidosos na área da confecção, foram se instalando por ali. Nos anos 90 com a abertura para as importações de tecidos, os coreanos foram aos poucos conquistando o bairro e hoje são eles os grandes responsáveis pela modernização das lojas da região. Os coreanos hoje viajam e buscam nas grandes grifes internacionais as inspiração para suas confecções.

Escola de moda do bom retiro
Além de eventos como o Fashion Business, outros movimentos, mesmo que ainda tímidos estão ocorrendo para consolidar o bairro como um pólo de moda. Os estilistas Ricardo Almeida, Clô Orozco (Huis Clos) e Amir Slama (Rosa Chá) querem implantar no bairro o projeto da Escola Superior de Moda de São Paulo. A iniciativa conta com o apoio do Núcleo de Ação Empresarial do Projeto Bom Retiro, uma organização não-governamental da qual fazem parte estilistas, empresários, comerciantes e urbanistas. A construção da escola pretende também recuperar a malha urbana do bairro e colocar a as confecções locais caminhando ao lado da moda internacional, visando a exportação. A faculdade deve ser pública, gerida por proprietários das confecções locais.

Essa boa novidade era de 2004, mas parece que o assunto evoluiu segundo o post de 26/06/05 do blog Casa de Calú. Quem souber de mais novidades sobre esse assunto manda para o blog.

Em breve o Bom Retiro vai virar filme. Serão 26 minutos sobre sua evolução pelas lentes do cineasta André Klotzel. A filmografia faz parte de um projeto aprovado pela Secretaria Municipal de Cultura no Projeto História dos Bairros de São Paulo em parceria com a Secretaria de Educação.

Nada mais legal para um bairro que não esquece seu passado, lapida o presente para consolidar um futuro promissor.

Bom Retiro em três capítulos


Tags:
Loja Fashion Bubbles